quarta-feira, 24 de março de 2010

Carne para Canhão

Uma das minhas maiores surpresas, enquanto médico, foi descobrir que as queixas que se ouvem nestes noticiários terem, afinal de contas, boa razão de ser.
Poucos de nós na profissão não teremos chegado à mesma conclusão: o povo é mesmo carne para canhão.
A novidade é que não é apenas por culpa dos meus colegas menos jeitosos. É sobretudo por culpa do próprio povo (lá está ele, pensam os meus poucos leitores...).
Não se trata aqui de um acto de sacudir a água do capote, meus senhores, ficariam impressionados, partindo do pressuposto que quem vem ler um blog tem um mínimo de literacia, com a quantidade de gente que aparece nas consultas de Urgência ou de Especialidade com sacos cheios com incontáveis caixas de remédios, os quais são tomados mais ou menos aleatoriamente, os quais estão por vezes em duplicado pelo facto de terem nomes diferentes (e as pessoas não conseguirem perceber que a substância activa é a mesma), enfim, os quais são sempre mal usados, num potencial iatrogénico geralmente nada desprezível.
Mas isso, de tão comum, é já o que menos me choca: é rotina.
O que é verdadeiramente surpreendente é a quantidade de gente que toma esses remédios sem saber para quê ou porquê, desconhecendo as doenças às quais se destinam e das quais, presumivelmente, padecem. E que parecem ser problema, não delas, mas do prescritor.
Qualquer interno sabe bem, desde muito cedo, que neste desgraçado país, a melhor maneira de saber as doenças de determinada pessoa é, não o aparente lógico acto de lhe perguntar directamente, mas sim olhar para os remédios dele (o tal "saco") e perceber ao que se destinam.
Não duvidem que é verdade.
E, rebarbação suprema, qual não foi o meu espanto, incessantemente repetido, quando descobri que imensas criaturas apresentam cicatrizes em diferentes porções do corpo, sem saberem exactamente, ou sequer aproximadamente, o que raio lhes extraíram, ou repararam, ou seja lá o que for que lhes fizeram numa Cirurgia, que à partida se pensaria que suscitaria a curiosidade do operado.
Enfim.... É a clássica resposta de 50% dos meus doentes na sua 1ª consulta:
-"Então, que queixas motivam a sua vinda a esta Consulta"?
-"Não sei, o meu médico de família é que me mandou...".

3 comentários:

Anónimo disse...

O Dr é que sabe...
Deve ser cansativo ter de saber da vida de tanta gente!
EF

O Primitivo disse...

Algumas vezes, também há de dar-se o caso contrário, pacientes com mais cérebro que alguns médicos.

Luz disse...

O meu computador esta a dizer que esta na hora de dormir, fiquei sem acentos. Escrever com acentuacao fica qualquer coisa tipo para de escrever e vai deitar/te, j]a n\ao aguento ter/te a teclar... adiante

O meu marido ja me falou de situacoes identicas, do genero querer saber que doencas de base tem e lhe dizerem nenhuma e depois tomarem diariamente sin*****tina, ome***zol, c****pril, ben*********nas, inda****da..... mas claro nao tem nada!!!

LUZ