terça-feira, 11 de novembro de 2008

1=1

Porque é que as pessoas, quando recorrem ao privado, têm um melhor "atendimento"?
Começaria por esclarecer o conceito, pois vou-me ficar apenas pelo comentário ao "atendimento", entendendo-se aqui por isso a simpatia/empatia e disponibilidade do médico, bem como a celeridade com que são resolvidos os problemas/expectativas do doente.
E o atendimento, entendido como tal, é importante e, basicamente, o único responsável pela má imagem do serviço público, já que aceita-se, por ser provavelmente verdade, que o serviço público encontra-se servido com os melhores profissionais no "mercado", e terá mais meios, ainda que alguns novos hospitais privados façam finalmente alguma concorrência musculada.
Dito isto, sublinho que os melhores profissionais do Hospital onde que me encontro fazem sobretudo serviço público em exclusividade. Ou seja, aquele médico que conheço bem, ao qual recorrerei um dia para mim, ou pedirei que veja a minha mãezinha quando essa adoecer, em geral, não faz "privada".
E que os piores, muitas vezes, têm uma perninha na "privada", com contraditório sucesso.
O que prova, coisa que já vou sabendo há muito tempo,  que qualidade no atendimento nada tem a ver com competência nesse mesmo atendimento (a competência "ajuda", mas é absolutamente secundária, na percepção de qualidade do doente).
Porquê?
Se os competentes e dedicados estão no público, e os outros até fazem "privada", porque é que a qualidade de atendimento não é entendida como inversa (boa no público e má no privado)?
O custo não explica tudo, já que o estado gasta eventualmente mais dinheiro do contribuinte com o sistema público do que o contribuinte gasta recorrendo à privada.
Os meios são importantes, mas não explicam tudo.
O facto do acesso ser universal, e de haver discriminação positiva no atendimento de certa patologia "onerosa" em exclusividade no público, já poderá adiantar algo mais....
Mas eu quero mesmo é falar da fórmula 1=1 no privado, e 2=1 no público.
Ou seja, enquanto que no privado 1 médico faz o trabalho de 1 médico, no público serão precisos 2 para o mesmo efeito: um indigente, nunca penalizado, perpetuando-se na indigência, na inação, na incapacidade, na preguiça, para um competente, desmotivado, sobrecarregado de trabalho, injustiçado perante o primeiro.
E assim faz-se com ambos precisamente aquilo que qualquer um deles "despacharia" com alegria na privada (ou também no público, no caso do segundo), se houvesse meritocracia, se as regras do mercado se aplicassem um pouco mais a este anquilosado sistema que é o nosso de saúde (e público em geral), se se liberalizassem mais as regras do jogo.
Eu, essencialmente Conservador em termos de costumes, Socialista em questões sociais (particularmente no acesso à saúde), vejo-me tornar entusiasta Liberal em questões laborais. Porque esta fórmula dos 2=1, meus senhores, é cara e não resulta. E não vejo outra alternativa de 1 passar a ser igual a 1.
Despeçam-se os incompetentes sem piedade, reabilitem-se os "aproveitáveis" (que NÃO serão a maioria), premei-se o mérito e a competência (factor essencial neste ramo). E faça-se isso tudo com celeridade, com ligeireza até.
Enterre-se de vez o carreirismo, o funcionalismo público, a promiscuidade interesseira cíclica politizada desta "clique" ridícula que todos conhecemos, aos bocados, e que se vai perpetuando sem nunca mais ser "decapitada" ou "defenestrada".
Aproveite-se essa maioria de profissionais, "silenciosa" e escondida do reconhecimento do público, que está desmotivada por esses hospitais públicos fora, cansada de ver o chico-espertismo levar sempre a dele avante neste jardinzinho, encantador é certo, mas desesperadamente estático no que toca a assassinar interesses instalados, que só servem aqueles que dos outros se servem, sem nunca servirem para nada nem ninguém.
Serviço "Público"? Hoje, tal como está? Deixem-me rir....
Ou então definam "Público".

2 comentários:

estrelinha disse...

Tem toda a razao,infelizmente anda muita gente a comer e a viver a conta do dinheiro publico e da saude dos outros e ja agora tb a aqueles colegas seus que nos atendem em hospitais publicos e dizem que a cirurgia ali demora tres anos e que se for no privado ele faz numa semana no mesmo hospital,mas noutro piso nao sabia?é a saude que temos.

Miss G disse...

Odeio (palavra forte, mas mais que acertada) esta discriminacao. Nao tenho nada contra quem se assegura de forma privada. Oxalá um dia esteja em condicoes de o fazer, é sinal que tenho um rendimento elevado. Mas é repugnante que o povo, a classe média tenha de esperar meses para ter uma consulta, arrastando-se dia após dia para o trabalho, enquanto os outros têm consulta em pouquíssimos dias.
Já tive a infelicidade de ser atendida pelo memso médico no público e no privado. Na primeira situacao (que em termos cronológicos foi a última) fui tratada abaixo de cao, coloquei questoes do meu interesse e curiosidade e recebo respostas do tipo "nao estou aqui para discutir anatomia contigo!". (Olhe, desculpe, é a mim que me dói, nao falo de cor, foi a fisioterapeuta que sugeriu. Devia ter dito isto, mas nao consegui!) No privado, era eu uma crianca, tive toda a atencao possível e imaginária.
Parece que o respeito se compra por uns euros ao invés de ser prática de boa educacao.
Estou consigo, Dr. Placebo!