terça-feira, 17 de julho de 2012

Impressões a Sério


Eu gosto de Enfermeiros. Melhor dizendo, gosto MESMO do papel que os enfermeiros desempenham, no exercício da sua profissão, complementar da minha, e essencial aos bons resultados que poderei (ou não) ter na minha prática ao serviço dos doentes.

Custa-me por isso ver alguns desgastarem-se em preocupações de procurar novas "competências" que os tornam mais parecidos comigo, ficando menos parecidos com eles próprios. E isso é um problema que poderá minar a profissão por dentro, graças a alguns populistas/oportunistas acicatadores de ódios que, infelizmente, se vão aproximando dos cargos de poder e decisão nessa classe.

Isso acontece por causa de dois flagelos: desemprego e emprego precário, ambos resultantes do sobredimensionamento da classe para as possibilidades ou vontades (o que é diferente de "necessidades") do país. E nenhum dos flagelos é combatido com a "solução" da multiplicação de competências, pois continuarão a ser demasiados, por mais competências que venham a ter no futuro (passariam apenas a ser muitos, com muitas competências, e no desemprego ou emprego precário, tal como agora).

A falácia advém do facto da classe ao lado, a tal que parece ter algumas das apetecíveis competências que requerem, não ter ainda nem desemprego, nem estar de todo precária, sobretudo em comparação com a deles. E é uma falácia porque isso não se deve de todo às "nossas" competências, mas tão só ao facto de poucos as estarem a exercer. Haja sobredimensionamento de recursos humanos médicos (como se prevê, se não for travado), e o problema vai-se repetir, tal e qual se vive hoje na classe de Enfermagem. Dito vendo por outro prisma, não é por serem menores as actuais competências dos Enfermeiros que existem os problemas.

Não seria este um tema problemático se ao somatório de competências, algumas das quais já agora me parecem ser do mais puro bom-senso, existindo até já na prática em muitos serviços que se conseguem organizar de forma inteligente e descomplexada, não se descurassem as actuais, essas sim a meu ver fundamentais e que urge manter e até aperfeiçoar: a proximidade ao doente, a intimidade desse relacionamento com o que sofre, o papel de advogado de quem padece junto do médico, necessariamente mais ausente, o confessor de angústias (e dados clinicamente relevantes) por vezes só com ele partilhadas, a delicadeza dos contactos de intimidade, o bem-estar psicológico que proporcionam, é algo que não tem paralelo nem preço. E é uma competência única, e fundamental, além de todas as outras de natureza mais "prática".
Acresce a isto o bom ambiente que geram no trabalho, a capacidade de trabalho de equipa que podem proporcionar, e que me leva a acordar todos os dias com vontade de me dirigir para o trabalho, para tratar dos nossos doentes, na fundamental companhia deles (e, já agora, dos também excelentes AAM com os quais tenho a honra de poder trabalhar).

É por isso com alguma preocupação que assisto à não-valorização de alguns daqueles excelentes profissionais, numa Unidade diferenciada como é aquela em que exerçemos as nossas profissões. Que raio de corporação (Ordem, sindicatos...) permite que Enfermeiros com quase duas décadas de experiência praticamente exclusiva numa Unidade destas, sejam depois ultrapassados hierarquicamente por outros, muitíssimo mais novos e forçosamente inexperientes, só porque após a curta licenciatura de 4 anos fizeram mais um e tal de especialização fútil no contexto daquela Unidade? Como é que se permite, ou que pressões haverá, e estou à vontade para o dizer porque a Chefia de Enfermagem na minha Unidade é exemplar e com legitimidade pouco menos que imaculada, para que a chefia dos turnos (aquela que depois no dia-a-dia é relevante) seja entregue a quem ainda mal aprendeu a virar frangos, e quem é chefiado nada tem a aprender, antes pelo contrário, com aquele que supostamente o está a chefiar?
Maior fica a preocupação quando não reconheço nestas novas fornadas a capacidade destes mais velhos (mas não velhos!), remetidos para o segundo plano. E quando não lhes vejo a vontade (quando não a capacidade) de desenvolver as faculdades que tanto admiro nos seus antecessores.
E ainda maior fica quando constato a tensão gerada, e que apenas aumenta o fosso comunicacional, entre os valorosos excluídos e os novos e impreparados promovidos.

Isto é um quadro geral, havendo evidentemente muitos novos e bons ("à antiga"), e concerteza alguns velhos e maus. Felizmente que, apesar de tudo, na realidade que é a minha, estes problemas sejam ainda algo marginais, ainda que existam (e que raio, são tão escusados...), sabendo porém que noutros serviços atinjam proporções mais preocupantes.

Ou seja, mesmo que com mais competências (mas de preferência sem obsessões, porque são desnecessárias, nem exageros, para depois não acabarem por acumular antes "incompetências"), por favor não se esqueçam de dar a equivalência dessas competências a quem realmente as tem. Para não serem injustos para os portadores de uma fundamental herança, materializada naqueles que são o melhor exemplo do que deve ser a Enfermagem, com toda a nobreza que a caracteriza! Sem a qual, acreditem, a vossa profissão se torna bem mais escusada do que a ilusão de um somatório de competências possa deixar antever....

8 comentários:

Mauro Germano disse...

Concordo consigo quando diz que temos de manter as competências actuais ( quaisquer que ache que sejam) mas não posso concordar consigo quando diz que não devemos obter novas, muitas das vezes quando se trata apenas de formalizar competências e práticas que já se detém e que já acontecem.

Podia já agora esclarecer-nos quais as competências?

Cumprimentos

Mauro Germano disse...

Concordo consigo quando diz que temos de manter as competências actuais ( quaisquer que ache que sejam) mas não posso concordar consigo quando diz que não devemos obter novas, muitas das vezes quando se trata apenas de formalizar competências e práticas que já se detém e que já acontecem.

Podia já agora esclarecer-nos quais as competências?

Cumprimentos

Anónimo disse...

Lá vem o Mauro com a história do “skill-mix”…

Como aqui é dito (e bem!) a classe de Enfermagem cometeu um enorme erro que foi a massificação do Ensino. Ainda estou para perceber como se pode eleger para Bastonário alguém que nos últimos anos deu aulas nas chamadas “escolas de vão de escada”.

Mesmo sendo optimista, esse ganho de competências (por um lado) levará à perda de outras (basta ler o que diz o Pita Barros). Mas sobre a perda de competências para outros profissionais de saúde, os enfermeiros já não querem falar…

Sejamos claros. Os números actuais apontam para 5000 desempregados. Qualquer pessoa de bem, perante a dureza destes números, faria tudo ao seu alcance para, pelo menos, atenuar o problema. Portanto, a classe devia estar unida em torno desta (e de outras) causas nobres. Mas não! A maioria dos enfermeiros que conheço estão a borrifar-se para o que se está a passar…

Anónimo disse...

Essa história das hierarquias é outra nódoa da profissão.
Na AG da Ordem, um enfermeiro director disse que era um “boy” de um partido político. O bastonário continua até hoje caladinho que nem um rato!!!
Há enfermeiros que estão no lugar de chefe de serviço, não por mérito próprio ou reconhecimento dos pares, mas simplesmente porque são uns lambe botas.
Casos há, de senhoras enfermeiras que tiveram uns encontros mais “carnais” com não sei quem…
Os chefes de equipa são uma cópia (fatela) do modo de organização médica! Se a malta soubesse o que anda a fazer, não era preciso chefe de equipa para nada. Até porque, em muitos serviços, o número de enfermeiros por turno é de 3 ou 4!
É vergonhoso que um badameco, também lambe botas do enfermeiro chefe, seja chefe de equipa de um colega que já trabalha há 30 anos. Não faz sentido!

Anónimo disse...

Nos últimos anos, tem-se assistido a uma corrida frenética à formação pós graduada na Enfermagem.
Há muito quem pense, que por andar a coleccionar títulos académicos, vai convencer o Governo a pagar-lhe mais.
Um dos exemplos desta situação é o actual bastonário. É especialista em Saúde Materna, mas quantos anos exerceu como tal? 1? 2?
Tenha vergonha!

A pergunta a colocar aos enfermeiros é: vocês gostam daquilo que fazem?

Há enfermeiros que por terem uma especialidade, acham que não devem prestar cuidados de higiene aos doentes.
Há enfermeiros que trabalham no bloco e foram tirar uma especialidade em saúde mental. Como o trabalho num serviço de Psiquiatria é duro, pelo menos em relação ao bloco, continuam a trabalhar aí…

Anónimo disse...

É skill-mix é aconselhado pelo OMS :) e o principal segredo do sucesso das melhores sistemas de saúde do MUNDO!

Anónimo disse...

O "skill-mix" tem muito interesse para os enfermeiros, sempre que se fala em competências Médicas!

Mas quando se fala noutros grupos profissionais, o tal "skill-mix" passa a chamar-se "usurpação de funções de enfermagem"... Conclusão, nunca se viu classe tão hipócrita como a dos enfermeiros!!

Querem fazer tudo e mais alguma coisa (mesmo que não estejam, e nao estao! preparados para tal) menos as reais funções de enfermagem... e isto explica-se de uma forma extremamente simples: 99% dos enfermeiros queria era ser Médico!!! Duvidas?

The artist Formerly Known as Sousa Cintra disse...

Maricas és tu! Pronto. Era só isto. :-)
Um abraço.