quinta-feira, 2 de julho de 2009

Confissões de um Médico

Já que praticamente só amigos e família se deslocam aqui bimensalmente para ler estas linhas, decidi dissertar sobre um facto banal da minha vida pessoal.
Banal, que não é sinónimo de pouco relevante (para mim): vou-me mudar deste apartamento, em que ainda me encontro, para uma moradia, em parcela de terreno rodeante significativa.
Aviso desde já os 3 ou 4 anónimos que aqui se deslocam (e logo, não me conhecem) que não, não gosto de jardinagem nem de agricultura, os insectos fazem-me especial confusão (afinal, serão mesmo necessários? não se poderia tentar exterminá-los? as consequências seriam mesmo incomportáveis com a vida humana?), o ar puro não me incomoda (desde que não altere o sempre renovado e agradável sabor dos meus "Camel") nem pretendo ter qualquer responsabilidade numa putativa dieta mais "biológica", nomeadamente à base de produtos do campo (do meu, pelo menos, duvido que alguma vez venha a provir).
Não, o que me motiva mesmo a abandonar o meu saudosamente higiénico e desempoeirado apartamento, cuja esterilidade sei que me vai deixar recorrentemente nostálgico, são mesmo os mais indisciplinados dos parasitas todos que tive oportunidade de conhecer: os meus ipsi-specimens, ou seja, vós todos, que me rodeais. Os meus filhos? São a desculpa que eu precisava para convencer também a minha esposa, com os convencionais argumentos do "ar puro" e "espaço para brincar e ter um cão"....
A minha "quintinha" vai, de facto, ser constituída por uma barreira geográfica em toda a sua volta, destinada a repelir a passagem de quaisquer seres não-voadores, e que pretendo compor com uma farta sebe, no sentido de nem sequer ter que me lembrar que partilho este planeta com outros seres. Depois está ainda composta por um filtro (vulgo "portão"), que só vai deixar passar as substâncias que eu permitir. Irei ainda compôr o ramalhete com um ou dois ferozes canídeos, destinados a resolverem o problema remanescente dos espécimens mais virulentos, que possam eventualmente querer violar este meu paraíso de isolamento e tranquilidade, apesar dos óbvios inconvenientes da necessária alimentação e tratamento que requerem.
E pronto, acabar-se-ão brevemente todas as minhas dúvidas existenciais acerca dos estranhos hábitos dos meus autóctones, nomeadamente os mais nauseabundos para a minha curta paciência, a saber: as razões de alguém achar que pode partilhar a sua poluição sonora com os vizinhos quando lhe dá na real gana; as razões de alguém achar que pode estacionar a sua ferralha por cima de passeios e zonas pedonais, ferindo-me a vista e obrigando-me a desviar para a estrada (ou para casa...); as razões de um município achar que pode autorizar bares e restaurantes (ou até "eventos", como concertos até desoras, em "queimas das fitas") no sítio onde é suposto eu ter sossego e tranquilidade para descansar e dormir; as razões de certas criaturas acharem que é meu papel suportar os condomínios que elas não querem pagar, ainda que partilhemos o mesmo espaço; as razões da minha vizinha achar que pode passar o dia e a noite de tacões na sua casa; as razões do meu vizinho achar que pode deixar o cão dele a uivar no apartamento, na sua ausência; enfim, as misteriosas razões das personalidades munidas por raríssimo e/ou escasso sentido de civilidade desta sarna, ainda designada, genericamente, por "pessoas que me rodeiam".
Estou eufórico, e espero que compreendam o meu entusiasmo.
Agora tenho a possibilidade real de me capacitar, brevemente, por um inusitado sentido de empatia, que nunca consegui ter sequer perspectivas de alcançar até esta altura da minha vida.
Uma vez que espero cortar definitivamente os laços extra-laborais convosco todos, vou poder apreciar o vosso lado positivo com muito maior entusiasmo (a saber: o vosso lado doente).
Vou finalmente, tal como os nossos grandes e pequenos governantes, ter capacidade para ouvir os argumentos de neuróticos como eu com paciência, apelando à necessidade de aprendermos todos a viver em Sociedade, com tolerância pelas idiossincrasias uns dos outros, sem discriminações daqueles que se querem divertir até às tantas em zonas residenciais, daqueles que gostam de ouvir samba à uma da manhã ou de fazer festas a meio do seu prédio de 9 andares até de madrugada, daqueles que estacionam em cima do passeio para deixar o carro à sombra do prédio ou simplesmente mais perto da sua entrada, etc....
Ou seja, questiúnculas mundanas, pequeninas.
Vá lá, meus senhores, tenham lá mais paciência uns com os outros, que eu, graças a Deus (maneira de dizer), vou levar os meus olhos, ouvidos e narinas para bem longe de vocês todos....

3 comentários:

Filha disse...

Que tudo corra mesmo como no paraíso!...

cristina disse...

Felicidades e nao se esqueça que mesmo em moradias ha visinhas cuscas que espreitam atras da janela heheheh

Blogger disse...

New Diet Taps into Pioneering Plan to Help Dieters LOSE 23 Pounds within Just 21 Days!